Gutasaga ou A História e os feitos dos Godos

Introdução à Gutasaga

Gutasaga (Gutasagan) é uma saga sobre a história de Gotland antes da sua cristianização. Foi escrita no século 13 e sobrevive em apenas um único manuscrito, o Codex Holm. B 64, datado de ca. 1350, mantidos na Biblioteca Nacional da Suécia em Estocolmo, juntamente com o Gutalag , o código legal de Gotland. Estava escrito no velho dialeto Gutúnico que guarda semelhanças com o Old Norse e a língua Goda, atestando o parentesco e proximidade destas duas.

Gutasaga

Descoberta e Colonização de Gotland

Bildsten-140x300 Gutasaga ou A História e os feitos dos Godos

Mais detalhes
“Todas as coisas estão conectadas em círculos” de Gutasaga

Gotland foi descoberta pela primeira vez por um homem chamado Thielvar. Neste momento, Gotland estava enfeitiçada, de modo que afundava de dia e [apenas] ressurgia à noite. Mas esse homem levou fogo à terra pela primeira vez, e depois Gotland nunca afundou.
Este Thielvar tinha um filho chamado Hafthi. E a esposa de Hafthi se chamava Estrelabranca. Esses dois foram os primeiros a se estabelecer em Gotland. Na primeira noite, dormiram juntos, ela sonhou que três cobras estavam enroladas no seu colo. E pareceu-lhe que elas teria saído mesmo do seu colo. Ela contou seu sonho ao marido Hafthi. Ele interpretou assim:

“Tudo está ligado por anéis,
esta terra será habitada
e teremos três filhos”.

Enquanto ainda nem nascido, ele lhes deu a todos, os nomes:

“Guti vai possuir Gotland,
Graip será o segundo,
e Gunfiaun terceiro”.

 

Migração

Estes então dividiram Gotland em três partes, de modo que Graip, o mais velho, obteve o terço do norte, Guti no terço do meio, e Gunfjaun, o menor, teve o sul. Então, durante um longo período de tempo, as pessoas que descenderam desses três multiplicaram tanto que a terra não podia mais suportá-los a todos. Então, eles demarcaram lotes, e cada terceira pessoa era escolhida para sair, e estes podiam manter tudo que possuíam e levá-lo com eles, exceto suas terras. Mas eles não estavam dispostos a sair, e foram para Torsburgen e se estabeleceram lá. Todavia, o país [Gotland] não os toleraria, e novamente os expulsaram.

Então eles foram para Fårö e se estabeleceram lá. Mas eles não suportaram a vida nesse lugar, então eles foram a uma certa ilha ao largo da costa da Estônia, chamado Dagö, e se estabeleceram lá e construíram uma cidade que ainda pode ser vista. Mas eles também não poderiam se sustentar lá por muito tempo, então subiram o rio Dvina, através da Rússia. Eles chegaram tão longe que chegaram à terra dos gregos. Eles pediram ao o rei grego que os deixasse ficar lá para e que esperasse o minguar da lua.

O rei os concedeu isso, pensando que isso duraria apenas por um mês. Então, depois de um mês, ele quis expulsá-los, mas eles responderam que a lua cresce e míngua para sempre e sempre, e então o rei lhes dissera que foram autorizados a ficar. A palavra dessa disputa deles chegou à rainha. Ela disse: “Meu senhor rei, você concedeu-lhes permissão para morar apenas até o crescimento e a diminuição da lua, e isto é para sempre e sempre, então você não pode retirar isso”. Então eles se estabeleceram lá, e continuam, e ainda têm algo de nossa linguagem na língua deles.

Heathendom

 Naqueles dias, e por muito tempo depois, os homens acreditavam em holt e howe [bosques e túmulos], santuários e templos sagrados, e nos deuses heathens [haithin guth no texto original]. Eles fizeram ofertas de seus filhos e filhas e gado, com banquete e bebida. Eles fizeram isso por causa dos seus erros [a tradução literal era, em seu erro, mas mudei por causa da ambiguidade]. O principal sacrifício entre o povo era o de toda a terra, mas cada Terceiro tinha seu próprio sacrifício, e as assembléias menores tinham sacrifícios menores com gado, comida e cerveja. Eles foram chamados de suth-nautar, que são “Irmãos da Ebulição”, porque eles cozinhavam [a festa do sacrifício] sempre juntos.

A entrada na Suécia

Muitos reis fizeram guerra a Gotland enquanto eram heathens, mas os Gotlanders sempre mantiveram sua própria religião e lei. Então, os Gotlanders estavam enviando muitos mensageiros para a Suécia, mas nenhum deles conseguia negociar uma paz, até Awair Strawlegs da paróquia de Alva. Ele foi o primeiro a fazer a paz com o rei dos suecos.

Quando os Gotlanders pediram que ele ir [à Suécia], ele respondeu: “Você sabe que agora estou muito velho e perto da morte, então, se vocês quiserrm que eu vá a esse perigo, então me dêem três filhos: um para mim, um para meu filho e um para minha esposa. Como ele era um homem de língua lisa, sábio e atrevido, como as histórias dele, ele estabeleceu um tratado fixo com o rei sueco: 60 moedas de prata por ano – esse é o imposto para os Gotlanders – com 40 para o rei, destess sessenta e 20 para os jarls. Este montante já havia sido decidido por acordo de toda a terra antes mesmo dele ter ido negociar.

Então, os Gotlanders submeteram-se ao rei dos suecos por conta própria e Livre vontade, para que eles possam ir a qualquer lugar da Suécia livremente e sem restrições por pedágios ou quaisquer deveres. Assim também, os suecos poderiam chegar a Gotland sem proibir a importação de trigo ou quaisquer outras restrições. O rei deveria dar ajuda sempre que eles precisassem e pedisse. O rei enviaria mensageiros para a assembléia nacional de Gotland, e os jarls também, para quais levantariam impostos. Esses mensageiros deveriam proclamar salvo conduto aos Gotlanders para viajarem em paz pelo o mar, para todos os lugares onde o rei sueco havia dominado. E o mesmo valia para quem viajava para Gotland.

Kristendom (cristianismo)

Embora os Gotlanders fossem heathens, eles navegaram com mercadorias de comerciantes por todas as terras, cristãs e não cristãs. Então os comerciantes viram os caminhos cristãos em terras cristãs. Portanto, alguns se batizaram e trouxeram sacerdotes para Gotland. Botair de Akebäck foi o nome do primeiro a construir uma igreja naquele lugar que agora é chamado de Kulstäde. Isso o país não tolerarou, e o queimou. Então, o lugar se chama Kulstäde até hoje.

Por um tempo depois disso, houve ainda sacrifício no santuário. Ele tinha construido outra igreja lá. Os Gotlandeses também queria queimar essa igreja também. Então ele mesmo subiu na igreja e disse: “Se você quer queimá-la, então você terá que me queimar, com esta igreja”.

Ele era um homem importante e casado com a filha do homem mais importante, chamado Lickair Snielli. Ele era um fazendeiro de um lugar chamado Stenkyrka. Ele deliberou muito neste momento. Ele ajudou seu parente Botair e disse: “Não vá queimar esse homem ou sua igreja, porque está em terreno sagrado, no santuário do templo sob Kinten”.

E assim a igreja ficou implacável. Foi consagrada em nome de todos os santos naquele lugar agora chamado Igreja de São Pedro. Foi a primeira igreja a ficar de pé em Gotland.

Algum tempo depois, o sogro de Botair, Lickair se batizou junto com sua esposa, seu filho e toda a família, e construiu uma igreja em sua própria fazenda, que agora é chamada Stenkyrka (Stonechurch ou Igreja de Pedra). Essa foi a primeira igreja a ser erguida no Terço Norte de Gotland.

Quando viram os caminhos dos cristãos, os Gotlanders ouviram a palavra de Deus e os ensinamentos de homens cultos. O povo como um todo recebeu o cristianismo, de sua própria vontade livre, sem ser forçado de forma alguma, de modo que ninguém os forçou a serem cristãos. À medida que as pessoas se tornaram cristãs, outra igreja foi construída na ilha, em Atlingbo. Esse foi o primeiro no Terceiro Médio. Então uma terceira igreja foi construída no Terceiro Sul, em Fardhem.Depois disso, as igrejas surgiram em toda Gotland, porque as pessoas construíram igrejas para maior conveniência.

O Santo Olaf

Um pouco depois, o rei Olaf o Santo veio fugir da Noruega com seus navios e embarcar no porto de Akergarn. O Santo Olaf ficou muito tempo lá. Então Ormica de Hejnum e muitos outros homens importantes vieram com presentes. Ormica deu-lhe doze carneiros e outros objetos de valor. Em troca, o santo rei Olaf deu a Ormica duas tigelas e um machado amplo. Assim Ormica recebeu o cristianismo após o ensinamento de São Olaf, e ele construiu uma casa de capelas onde a igreja de Akegarn está em pé. Então, Saint Olaf foi para Yaroslav em Holmgard [Novgorod].

O Bispo em Linköping

 Se houvesse desentendimentos para que o bispo julgue, eles devem ser resolvidos no mesmo Terço. Porque aqueles que vivem mais próximos saberão sobre a verdade do assunto. Se o desacordo não for tratado lá, então será transferido para a assembléia nacional, e [o desentendimento] não poderia mudar de um terço para outro. Se surgirem conflitos ou desentendimentos, que pertençam ao bispo para se restabelecer, então as partes devem aguardar a chegada do bispo e não atravessar o mar [sair da ilha], a menos que seja compelida – e isso seria um grande crime, pouco provável que o tribunal absolvesse. Entre a Festa de São Walpurga e a Festa de Todos os Santos, eles poderiam passar, mas não mais tarde. A partir daí, durante o horário de inverno até a Noite de Walpurgis, o caso pertence ao bispo.

Em Gotland, uma multa episcopal não é uma multa superior a três marcas. Antes que Gotland tivesse um próprio bispo próprio, os bispos chegaram a Gotland, a caminho da Terra Santa, como peregrinos a Jerusalém, ou a caminho de casa. Naquele tempo, havia uma rota para Jerusalém através do russo e da Grécia. Em primeiro lugar, foram eles que consagraram as igrejas e cemitérios e quais pela insistência foram construídas igrejas.

Depois que os Gotlanders se converteram ao cristianismo, eles enviaram mensageiros ao bispo principal em Linköping, por este ser o mais próximo deles, quando precisavam providenciar um acordo especial pelo qual o bispo os atendesse. Foi então decidido que o bispo viesse de Linköping a cada três anos com doze dos seus homens que o acompanhariam por toda a ilha em cavalos fornecidos pelos fazendeiros, doze e nada mais.

Então, o bispo viajaria pelas igrejas consagradas de Gotland. E em pagamento ele poderia tomar três refeições para cada consagração, mas não mais, e também três marcas. Para consagrar um altar: uma refeição e doze moedas, mas somente o altar deveria ser consagrado. Quando um altar e uma igreja eram consagrados juntos, ambos eram consagrados por três refeições e três marcas em moeda.

De cada sacerdote, o bispo pode receber, em troca da sua visita, um pagamento de três refeições, e não mais. Para cada sacerdote que não paga no mesmo, o bispo receberá uma multa de todos, para que todas as igrejas sejam tributadas. Aqueles que não pagaram suas dívidas naquele tempo, deveriam pagar quando o bispo retornasse após três anos e recompensar aqueles que pagaram a multa na última vez.

Impostos

Quando os Gotlanders recebiam bispo e sacerdote, e aceitaram completamente o cristianismo, eles também se comprometeram a acompanhar o rei dos suecos na batalha com sete navios de guerra contra terras heathens, mas não contra os cristãos.

Tinha que ser feito assim: o rei deveria chamar os Gotlanders para reunir após o inverno, com um aviso de um mês, e o dia de reunião deveria ser antes do verão e não depois. Tal era uma convocação legal, e nada mais. Então, os Gotlanders poderiam escolher se queriam, com seus navios e oito semanas de suprimentos, mas não mais. Se decidissem não acompanhar [o rei], eles pagavam 40 marcas em moeda por cada navio – mas apenas no ano seguinte, e não no mesmo ano em que eram chamados. Isso eram chamado de imposto de reunião.

Naquele mês [quando a convocação era feita], durante a primeira semana, A convocação deveria ser enviada e uma assembleia convocada. Se for acordado que a expedição iria adiante, metade do mês era entregue a novos preparativos. E então, durante sete dias antes do dia da reunião, os homens devem ficar prontos e aguardar um vento justo. Mas se um vento não vem naquela semana, eles deveriam aguardar mais sete dias após o dia da reunião.

Se um vento bom ainda não somprasse naquele tempo, eles tinham o direito de ir para casa sem penalidade, porque eles não poderiam atravessar o mar a remo, mas apenas a vela. Se a convocação tivesse uma notificação mais curta do que um mês, eles não precisavam ir, mas tinham o direito de permanecer em casa sem penalidade. Então metade do mês deveria ser entregue para preparações adicionais.

Se acontecesse do rei não acreditar que a convocação foi dada ilegalmente, ou que o vento impediu no momento especificado pela lei, os mensageiros do rei, deveriam receber o imposto na próxima assembleia após o dia de São Pedro. Deveriam Exigir um juramento de doze homens nomeados – os homens do rei nomeavam quem deveria jurar – que ficassem por razões legais. Nenhum juramento de homens nomeados era dado em Gotland, exceto os juramentos ao rei.

Se o pior acontecesse, e um rei coroado conduzisse pela força de seu reino, os Gotlanders não devem pagar impostos. Poderiam manter-se por três anos. No entanto, eles deveriam reunir impostos todos os anos e deixá-lo guardado. E depois dar a quem estivesse governando o reino sueco então. Uma carta selada com o selo do rei deveria ser enviada como prova de sua legitimidade, mas não uma carta aberta.

Traduzido de: http://runeberg.org/gutasaga/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *