Quais são as regras que regem o multiverso da Tradição Odinista?

Salve Jah Haila.

ᚺᚨᛁᛚᛊ ᛃᚨᚺ ᚺᚨᛁᛚᚨ.

Haila Frijonds sim Frijonjos Meina!

ᚺᚨᛁᛚᚨ ᚠᚱᛁᛃᛟᚾᛞᛊ ᛃᚨᚺ ᚠᚱᛁᛃᛟᚾᛃᛟᛊ ᛗᛖᛁᚾᚨ!.

Essa é uma questão problemática porque, para respondê-la, depende de qual ponto de vista estamos falando. Obviamente, cada esfera de Yggdrasil tem seu código moral, suas regras, portanto, é normal que haja choques culturais (no melhor dos casos) quando eles interagem entre si.

Por exemplo, o que é válido para um Vanir, pode não ser para um Aesir, pois os primeiros veem as coisas pelos sinuosos parâmetros da natureza enquanto os outros apelam para uma ordem social em busca do equilíbrio. Cada um tem seus pontos válidos e também outros que podem não agradar a todos.

Então, o que é certo e o que é errado? Quando falamos em maniqueísmo (lutas entre o bem e o mal) é preciso lembrar que a maioria de nós fomos criados em um contexto cristão onde os parâmetros de comportamento são muito bem exemplificados pelos mandamentos, além de uma série de regras exclusivas de culto em questão.

Acostumamo-nos a ter uma orientação moral muito limitada e a culpar os outros (o diabo, por exemplo) pelas más decisões que tomamos; é isso que se quebra entrando no paganismo e assumindo-nos como tal. No Odinismo apelamos ao bom senso e à responsabilidade para criarmos o nosso sistema moral centrado em Miðgard, porque é o mundo em que vivemos (embora por vezes tragamos a cabeça para outro lado ).

Nossa espiritualidade vem de vários povos germânicos que aprenderam a conviver e estabeleceram leis comunitárias em busca da harmonia e do desenvolvimento. Mas as sociedades mudaram, as necessidades também, e o que antes era válido teve que se adaptar ao passar do tempo ou a novas formas de convivência com os outros.

Vale tudo? claro que não! existem coisas como as Nove Virtudes que são um pilar moral básico ainda em vigor, analise cada um desses conceitos e verá que correspondem às necessidades básicas de qualquer sociedade atual. Nós, Odinistas, estamos interessados ​​em fazer as coisas com plena consciência e sem procurar culpados quando cometemos um erro grave. Aqui é muito importante pagar as faltas na sua justa medida, emendar tudo o que se faz egoisticamente ou mesmo por ignorância, porque o que procuramos é o equilíbrio das coisas.

O que são os bandidos e os meninos? não existe tal coisa. A tradição, segundo as fontes de que dispomos e o trabalho que delas se fez, ensina-nos que todos os seres temem o seu claro-escuro, por isso não apela à perfeição, mas ao aprendizado e à retribuição. As forças caóticas primordiais se comportam de uma certa maneira porque essa é sua função no multiverso, essa é sua natureza, e elas têm suas próprias necessidades. O mesmo acontece com jotun, elfos, anões e, claro, humanos. Aqui não há adversários propriamente ditos, apenas pensionistas que podem coexistir ou colidir sem representar uma luta acirrada entre o bem e o mal. Você luta por ideias, não para ver quem é o mais santo.

O que nos regula então? nós mesmos, nossa coerência. No meu caso, por exemplo, sou monogâmico e acredito profundamente na responsabilidade emocional. Não viva com bons cheiros ou promiscuidade, nunca experimente drogas ou fumo na vida e só restrinja o álcool a celebrações religiosas ou solenes. Aplico a mesma rigidez às roupas, às cores que visto e a outros detalhes (não promovo nem venero marcas porque sinto que o vazio excessivo enfraquece o espírito).

Meu código moral é severo mas é porque encontrei nele uma ordem válida para minha vida de Odinista, nem sempre fui assim, mas assim decidi porque me sinto responsável por cada mensagem que emito, mesmo que seja não-verbal, mas isso é PESSOAL. 
Ser Heathen não é fazer o que você quer, é assumir a responsabilidade por suas decisões, e é isso que tento transmitir na minha pessoa, pois além de aprendiz de guðja, sou professora de adolescentes no ensino médio. Educar as novas gerações faz parte das minhas muitas responsabilidades.

Passando para questões ainda mais complexas, que classificação nós Oðinnistas temos no campo filosófico das religiões? Não somos animistas. Embora saibamos que tudo tem energia, uma vassoura velha ou um guarda-chuva descartado não são um problema além do lixo que podemos gerar com eles uma vez que não os usamos (veja esses aspectos materiais do animismo).

Nós Odinistas respeitamos os seres vivos, mas para nós nem tudo é vivo, também não somos panteístas. Porque não há conceitos como o Tudo aqui. Cada aspecto divino tem uma identidade, um plano existencial, uma parte do multiverso Yggdrasil, portanto, sua relação e influência não se limitam à vontade de um único deus supremo, mas à esfera da qual faz parte e ao papel que representa.

O Pai, Odin, é uma figura com muita influência nos nove mundos, mas não rege todos eles, pelo contrário, faz acordos com alguns deles e eles permitem a vida como a conhecemos. Nós Odinistas somos politeístas. Cada divindade tem sua esfera de atuação e é invocada de acordo com a estação do ano ou necessidade, não que uma deva comandar as outras. Aesir, Vanir e Jotuns têm um lugar especial em nossos altares, todos mantidos em igual dignidade e respeito.

Não me importo com dois alvares, ou elfos, pois estarão intimamente relacionados com as forças da natureza e serão emissários ou parte do séquito de vários deuses, mostre-lhes respeito e assuma seu papel de subordinação a essas divindades (digamos podemos ser classificados como ‘divindades menores’, mas o respeito a elas demonstrado é absoluto).

Muitas vezes são invocados em busca de ajuda, desta forma é possível entender onde nos posicionamos como Odinistas. Aqui o único absoluto é o respeito pelo que torna possível a nossa existência. Nossos deuses nos deram muitas lições através de dois textos nos quais se baseou a Tradição, mas o que se ensina aqui é formar critérios, ser racional, trabalhar com objetivos e, acima de tudo, disciplina.

Convido você a refletir sobre esses conceitos e, em poucos dias, evoluir para a próxima etapa, que é formar comunidades saudáveis ​​onde os demais possam se sentir livres dos dois fantasmas do monoteísmo que tanto nos prejudicam. Aqui a liberdade que usamos tem um preço que não é o outro sem a responsabilidade que temos em tudo ou que dizemos ou fazemos.

Aprendemos com outros mundos, o conhecimento não é proibido, consideramos parte de nossas obrigações adquirir tudo o que nossa mente pode processar e, aliás, exercemos o papel de mediadores e intérpretes, pois em última instância é essa a função do que chamamos de Miðgard.

Gutané Jér Weiháilag.

ᚷᚢᛏᚨᚾᛖ ᛃᛖᚱ ᚹᛖᛁᚺᚨᛁᛚᚨᚷ.

Selene Ortiz Vázquez.

ᛊᛖᛚᛖᚾᛖ ᛟᚱᛏᛁᛉ ᚢᚨᛉᚲᚢᛖᛉ

HOSF

ᚺ.ᛟ.ᛊ.ᚠ.

México.

ᛗᛖᚲᛊᛁᚲᛟ.

compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Pesquisar

Navegador!