Ancestralidade que vem da terra


Hoje para muitos dia de lembrar da morte dos seus entes queridos, os que foram e nessas tradições visitá-los. E na nossa tradição Odinista, o que de fato é importante crer e entender? A ancestralidade, aos que já estão em outros mundos, mas aos que estão diariamente conosco. A morte no nosso caminho Heathen não pode ser vista como um peso , um fardo sob nossas costas. Existem poucos registros de onde iremos, o maior deles provavelmente o mundo dos mortos da nossa Deusa Hella, o tão prestigiado Valhöll em preparação pra guerra por Odin ou até mesmo Fólkvangr de Freyja , mas existem tantos outros mundos, locais, e o que a nossa crença acredita de que os ancestrais podem permanecer ligados a nós por tempos e tempos.

Por isso eu peço que olhem com mais sutileza as escrituras tão longamente gravadas da fontes primárias, nas sagas e das poesias, percebam a raiz da ancestralidade vinda da terra. Reflitam que para o povo germânico nórdico, seus cantos, seus escritos irão sempre falar no fundo sobre vivências e de que a ancestralidade é um dos tantos caminhos que devemos percorrer com honraria. Não se trata de esquecer, de reter a dor, trata-se de abraçar os ensinamentos. Um conhecimento vindo de eras, distante e passar a diante. Os deuses viviam entre as histórias orais, contadas nas fogueiras passando-as à frente dos antepassados de ontem aos descendentes de amanhã, vemos na nossa crença de que todos as criaturas povoadas dos diversos mundos possuem ancestrais , talvez Ymir seja o único sem ancestrais, mas vemos suas memórias correrem a nosso mundo.

Devemos pensar na tradição tribal, a veneração daqueles que trouxeram marcas a nosso clã, tribo, cultuar de fato suas raízes. Encontrar isso na terra, da vida nascendo debaixo dos nossos pés, a morte nos levando novamente para a fertilidade de que amamos. Pensar em sermos únicos é o que tentamos fazer sempre, mas já paramos para imaginar sendo um tronco forte vindo de tantas outras árvores. Ser a mistura de tantas tradições desconhecidas, desejos inquietos cada um fixo em seu tempo, muitos não seguindo paganismo e o que isso importa realmente no fim das contas? Somos descendentes, somos mais um elo da nossa ancestralidade. O sangue das minhas veias é da minha bisavó. Expressões faciais do meu tataravô, sorriso do meu pai, a cor da pele do meu tio de trinta gerações atrás. Então nesse dia peço essa reflexão, acendemos as velas, os incensos, faremos a celebração a todos que conhecemos, desconhecemos, buscamos o real significado, o conhecimento perdido, porque no fim, eles fazem parte de nós, nós fazemos parte deles, eles somos nós, nós somos eles, todos somos um só.

compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Pesquisar

Navegador!