As 9 Nobres Virtudes Odinista – Selene Ortiz Vázquez.

Hails jah Haila.
ᚺᚨᛁᛚᛊ ᛃᚨᚺ ᚺᚨᛁᛚᚨ.
Haila Frijonds jah Frijonjos Meina!
ᚺᚨᛁᛚᚨ ᚠᚱᛁᛃᛟᚾᛞᛊ ᛃᚨᚺ ᚠᚱᛁᛃᛟᚾᛃᛟᛊ ᛗᛖᛁᚾᚨ ᛗᛖᛁᚾᚨ!.

As 9 Nobres Virtudes Odinista.

Honra, Verdade, Fidelidade, Laboriosidade, Disciplina, Coragem, Hospitalidade, Confiança e Perseverança…
nove palavras que determinam a filosofia de vida de um Odinista, nove desafios que ele deve enfrentar ao longo de sua vida, nove máximas a serem ensinadas.

Hoje, há quem pense que essas palavras são meros elementos decorativos para fotos de escritórios corporativos, discursos políticos, instituições e até mesmo produtos comerciais. Tem sido tomado como certo que o mundo das palavras é alheio às ações, já que estas se tornaram tão desvalorizadas que alguns falam sem saber qual o significado do que tanto repetem.

É claro que todos afirmam compreender estas virtudes, mas, ao final do dia, percebe-se que elas são pronunciadas levianamente e seus significados não são vislumbrados na prática diária. Por quê? porque seu significado permaneceu no caderno Cívica e Ética, no manual de exercícios de um dos muitos “treinadores”, nas frases de aperfeiçoamento pessoal que alguns insuspeitos atribuíram a um personagem errado, na lenda, no herói, naquele contrato de verossimilhança que termina quando os créditos de um filme saem.
Num exercício de introspecção, é conveniente pensar se tudo o que proclamamos com tanta euforia nos blóts é uma palavra viva ou algo meramente pensado para adornar nossos perfis épicos de Odinista.
Estamos orgulhosos de nosso caminho espiritual? Estaremos dispostos a praticar as nove virtudes sem medo de parecer anacrônicos? Pronunciamos cada coisa com plena consciência ou apenas repetimos para nos encaixarmos em algum círculo social?

Cultivar as virtudes não é uma questão simples, menos se viermos de uma cultura onde a dupla moral é encorajada desde cedo (um costume aberrante que deve ser considerado um crime).
Por tudo isso, com humildade, desejo expor vários aspectos sobre o significado dessas nove nobres virtudes Odinistas, na ordem que considero a mais apegada à nossa conduta.

Honra.

Pilar fundamental de nossa espiritualidade, o primeiro critério que determina o valor de uma alma dentro e fora de seu corpo.
Ter honra é lutar todos os dias pelo que você acredita e garantir o bem-estar de sua comunidade, clã e tribo.
Não pode haver honra na indiferença, na apatia, no egoísmo ou em conflitos de interesse.
A honra exige que você enfrente o que está errado, não aceita o relativismo, não combina com a simulação.
Tenha cuidado se diante dos deuses você afirma praticar esta virtude e mentir.

Verdade.

No Odinnismo não há lugar para a fé cega, o que acreditamos é no exercício da consciência plena e estamos sempre em busca de novas respostas.
Estamos conscientes de que sabemos muito pouco sobre todos os mistérios que Yggdrasil guarda, sobre os mistérios do multiverso e sobre nós mesmos, portanto, a busca da verdade é um caminho e não a imposição de um absoluto.
Se o que você está procurando são certezas fáceis, este não é seu caminho, mas se você está disposto a se confrontar dia a dia, então você tem a garantia de que não estará sozinho.

Fidelidade.

Nós acreditamos na virtude da fidelidade. Aquele que não pode ser fiel à pessoa mais próxima, também não pode ser fiel à sua comunidade. Somos pessoas comprometidas com nosso parceiro, nossa família, nosso clã e nossa comunidade. Podemos passar por maus momentos, como qualquer outra pessoa, mas não esquecemos o compromisso que temos conosco mesmos e com os outros.

Laboriosidade

Trabalhar por nossa fé envolve muito trabalho abnegado e um exercício constante de aperfeiçoamento pessoal.
Não somos pessoas conformista, sabemos que a realização de nossos sonhos depende do trabalho que realizamos para isso.
Esta virtude nos convida a agir, a não esperar que outra pessoa o faça, a ter iniciativa e um senso de comunidade.
Não há lugar aqui para preguiça física ou mental, há muito o que fazer pessoalmente e com os outros.

Disciplina.

Ordem e coerência são parte de todo este conceito.
Cada um de nós é assumido como a face da tradição, por esta razão somos moderados na raiva e cuidamos de nossa imagem porque somos parte de uma sociedade religiosa. Acreditamos que a grandeza de nossa fé pode ser vista pelo comportamento de seus membros.
Se outros credos têm algo que os identifica, a disciplina nos define na forma como trabalhamos, nos fóruns e em nossas casas.

Coragem.

Covardia não é algo que define um Odinista, muito menos vindo de um deus mestre das armas e da feitiçaria; hesitar diante dos desafios não está em nossa natureza.
Somos cautelosos, mas defendemos nossa fé e nunca a negamos por medo do “o que eles dirão”.
Uma vez alcançada nossa autonomia, ninguém pode dizer que nossa casa é algo diferente do que já declaramos, porque nossa palavra tem valor.
Aqueles que estão conosco ou desejam fazer acordos que nos envolvem devem aceitar essa realidade, nós não somos o que eles querem ou imaginam, nós somos Odinistas.

A hospitalidade.

Naturalmente, não deixamos ninguém entrar em nossas vidas, mas não somos indelicados, tratamos os visitantes como eles merecem ou melhor, não abrimos a porta.
A hospitalidade tem regras e somos claros ao expressá-las, compartilhamos um pouco quando é necessário e ajudamos nossa comunidade não apenas com palavras, mas com ações. Estamos conscientes de que viver em sociedade traz obrigações e benefícios, e é por isso que sempre procuramos cumprir nossa parte.
Não somos indiferentes às necessidades de nossa sociedade, nem tiramos vantagem de ninguém.

Confiança.

Uma vez fortalecidos os laços, a confiança é inerente a estas relações.
Um irmão ou irmã de tradição deve se sentir tão seguro em nossa presença quanto os membros de nossa família.
Aqui não deve haver fofocas, trapaças, calúnias, manipulações, somos uma comunidade e depende de nossas ações para inspirar confiança.
Esta virtude pode levar anos para ser forjada e quebrada na primeira supervisão, mas é o resultado do trabalho de todos os outros já mencionados.

Perseverança.

Como Odinista, estamos conscientes de que grandes conquistas não vêm do nada ou por um golpe de sorte, tudo é uma consequência do trabalho e do compromisso que demonstramos. Um mestre de kendo me disse certa vez “ninguém parece glorioso” e graças a isso percebi que o processo é acidentado, raramente é linear.
Como Odinista, considero a perseverança como uma virtude que nos ajuda a curar feridas de erros antigos, nos dá força para seguir em frente sem buscar aprovação externa.
Perseverança é o que nos ajudará a trazer a luz de volta a qualquer outra virtude em cuja prática tenhamos falhado.


Os tempos mudam e a linguagem sofre mutações para melhor ou pior, mas nós, os Odinistas, aprendemos a conhecer o valor de tudo o que dizemos.
As runas em si representam sons que se conectam com várias forças em nosso cosmos, portanto, esculpir ou pronunciá-las não é um ato fortuito, mas requer consciência, responsabilidade e maturidade para assumir as consequências, porque dizer é fazer.

Gutané Jér Weiháilag.
ᚷᚢᛏᚨᚾᛖ ᛃᛖᚱ ᚹᛖᛁᚺᚨᛁᛚᚨᚷ.

Selene Ortiz Vázquez.
ᛊᛖᛚᛖᚾᛖ ᛟᚱᛏᛁᛉ ᚢᚨᛉᚲᚢᛖᛉ

H.O.S.F.
ᚺ.ᛟ.ᛊ.ᚠ.
México.
ᛗᛖᚲᛊᛁᚲᛟ.

compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Pesquisar

Navegador!