Runas e escritas dos Visigodos

Hoje sabemos que os godos tiveram pelo menos dois sistemas de escrita. Um sistema rúnico muito próximo do Elder Futhark e um alfabeto, criado pelo bispo Wulfila, usado para escrever a biblia visigoda, baseado nas runas godas. Apesar do intuito cristão, devemos a Wulfila todo o conhecimento que temos da língua dos godos.

As Runas Godas

Gothic runic alphabet (Article 1 of the Universal Declaration of Human Rights)

Na pedra do monumento godo conhecida como a Pedra Kylver, encontramos a mais antiga inscrição completa. As runas da pedra goda foram usadas principalmente para dedicações religiosas. Infelizmente, não se sabe muito sobre seus significados, porque, ao contrário de outros conjuntos de runas, não existe um Poema rúnico godo.

Em meados do século IV, o bispo Ulfila criou um novo alfabeto, baseado no Elder Futhark , para escrever material cristão na língua gótica. Para os nomes das runas abaixo, listei o nome que Ulfila deu às runas, bem como o nome godo das runa.

Inscrições runicas dos godos

Bem poucas inscrições runicas foram encontradas no território historicamente estabelecido pelos godos (cultura de Wielbark, cultura de Chernyakhov). Isto é devido à cristandade primitiva dos godos, com o alfabeto de Wulfila substituindo as runas em meados do século IV.

Há cerca de uma dúzia de inscrições candidatas, e apenas três delas são amplamente aceitas por serem de origem goda: o anel de ouro de Pietroassa, com uma inscrição votiva, parte de um tesouro maior encontrado nos Cárpatos romenos e duas cabeças de lança inscritas com o que é provavelmente o nome da arma, um encontrado entre os Cárpatos Ucranianos, e o outro no leste da Alemanha, perto do Oder.

Anel de Pietroassa

Um anel de ouro (colar) encontrado em 1837 em Pietroassa (noroeste da Romênia , a cerca de 50 km ao sul de Satu Mare ), datado de 400 dC, com uma inscrição em Elder Futhark de 15 runas. O anel foi roubado em 1875 e cortado em dois com alicate por um ourives de Bucareste. Foi recuperado, mas a 7ª runa já está destruída:
 ᚷᚢᛏᚨᚾᛁ [?] ᚹᛁ ᚺᚨᛁᛚᚨᚷ ( gutani [?] Wi hailag ).
 
Em desenhos e descrições anteriores a 1875, foi lido como othala, gutaniowi hailag ( ᚷᚢᛏᚨᚾᛁᛟᚹᛁ ᚺᚨᛁᛚᚨᚷ ), interpretado como gutanio wi hailag “sagrado para as mulheres godas”, ou gutan-iowi hailag “sagrado para o Jove dos godos”(Loewe 1909, interpretado como Thunraz), ou gutani o [thala] hailag ” herança sagrada dos godos “( gutani é o plural genitivo).
 
A identidade da 7ª runa, como othala, já foi posta em causa, mas uma fotografia tirada pela Arundel Society de Londres antes de ser vandalizada foi recentemente republicada e a runa danificada é claramente uma ᛟ (Mees, 2004). Como interpretar o gutanio continua sendo uma questão de disputa entre os pesquisadores, no entanto (Nedoma, 2003).

Lança de Kovel

A ponta de uma lança, encontrado em 1858 Suszyczno, a 30 km de Kovel, Ucrânia, datada do início do século III.
 
A ponta de lança mede 15,5 cm com uma largura máxima de 3,0 cm. Ambos os lados da folha foram embutidos com símbolos de prata. A inscrição corre da direita para a esquerda, interpretada como “thither rider” ou mais provável, como sugerido pelo Prof. Johannes Hoops (Reallexikon der germanischen Altertumskunde, Volume 17), “Ziel-Reiter” (Alemão: “alvo cavaleiro”), o nome de um guerreiro ou da própria lança. É identificado como germânico do leste (gótico) por causa do nominativo -s (em contraste com Proto-Nordico -z ). Os t e d estão mais próximos do alfabeto latino do que do Elder Futhark clássico, como era T ᛁᛚᚨᚱᛁ D ᛊ.
 
 

Lança de Dahmsdorf-Müncheberg

A ponta de lança de Dahmsdorf-Müncheberg

  A Ponta de uma lança, encontrado em Dahmsdorf-Müncheberg, em Brandemburgo, entre Berlim e Oder , inscrito com ᚱᚨᚾᛃᚨ ( ranja ) (Ulfilan [ rannja ], “lançador”).

  Roca de Letcani

Roca encontrada em Leţcani, Romênia, datado do século IV.

ᚨᛞᛟᚾᛊᚢᚠᚺᛖ ᛬ᚱᚨᛜᛟ᛬ ( adonsufhe : rango : )

Buckle of Szabadbattyan

Fivela de prata encontrada em Szabadbattyán, Hungria, datada do início do século V, talvez referindo-se aos “Mærings” ou aos Ostrogodos .

ᛗᚨᚱᛁᛜᛊ ( mari͡ŋgs )

Faihu / Fe

Faihu/Fe

Som: “f”
Significado: Riqueza, Gado

 

Urus / Uruz

Urus/Uruz

Som: “u”
Significado: Força

 

Thauris / Thyth

Thauris/Thyth

Som: “th”
Significado: Espinho

 

Ansus / Aza

Ansus/Aza

Som: A
Significado: Divindade

 

Raida / Reda

Raida/Reda

Som: “r”
Significado: Carro

 

Kusma / Chosma

Kusma/Chosma

Som: “k”, “c”
Significado: Tocha

 

Giba / Gewa

Giba/Gewa

Som: “g”
Significado: Presente

 

Winja / Winne

Winja/Winne

Som: “w”
Significado: Alegria

 

Hagl / Haal

Hagl/Haal

Som: “h”
Significado: Granizo

 

Nauths / Noics

Nauths/Noics

Som: “n”
Significado: Necessidade

 

Eis / Iiz

Eis/Iiz

Som: “i”
Significado: Gelo ou neve

 

Jer / Gaar

Jer/Gaar

Som: “y”, “j” como em “Frejya”
Significado: época (ou ano)

 

Aihs / Waer

Aihs/Waer

Som: “e”
Significado: Freixo

 

Pairthra / Pertra

Pairthra/Pertra

Som: “p”
Significado: Pote

 

Algas / Ezec

Algs/Ezec

Som: “z”
Significado: Alce

 

Saúil / Sugil

Saúil/Sugil

Som: “ss”
Significado: Sol

 

Teiws / Tyz

Teiws/Tyz

Som: “t”
Significado: Tyr

 

Baírkana / Bern

Baírkana/Bern

Som: “b”
Significado: Nascimento (ou Betula)

 

Egeis / Eyz

Egeis/Eyz

Som: “e”
Significado: cavalo

 

Mannaz / Manna

Mannaz/Manna

Som: “m”
Significado: Homem, humanidade

 

Lagus / Laaz

Lagus/Laaz

Som: “l”
Significado: Água

 

Iggws / Enguz

Iggws/Enguz

Som: “ng” como em “música”
Significado: Ing, Freyr

 

 Dags / Daz

Dags/Daz

Som: “d”
Significado: Dia

 

Othal / Utal

Othal/Utal

Som: “o” como em “frio”
Significado: Propriedade ou propriedade herdada

 

Quairtra

Quairtra

Som: “qu” como em “quando”
Significado: Chamas de fogo, ou árvore de maçã

 Gothic
Trans-
literação
 Valor

fonético

Nome
 No.
 Nome rúnico
 Significado
 a, ā  a, a:  ans, ahs, ahsa  1 ansuz  divindade
 b  b, β  baírkan  2  berkanam  nascimento
 g  g, γ, x  giba  3  gebō  presente
 d  d, ð  dags  4  dagaz dia
 ē  e:  aíƕus  5  ehwaz  cavalo
 q  kw  qaírþra  6  kwerþrō  arvore de maçã?
 z  z  iuja, azēts  7  algiz  alce
 h  h, x, ç  hagl  8 hagalaz  granizo
 þ  θ  þiuþ  9  þurnaz, þurisaz  Espinho
,  i, ï  ɪ  eis  10  īsaz gelo
 k  k  kusma, káunzama  20 kaunam, kenaz  ulcera, tocha
 l  l  lagus  30 laguz  Água
 m  m  manna  40  mannaz  Homem
 n  n  náuþs  50  nauþiz  necessidade
 j  j  jēr  60  jēra  Ano
 u, ū  u, u: ūrus  70  ūruz, ūram  aurochs, gado
 p  p  paírþra  80  perþ(rō)  pote?
 –  –  90
 r  r  ráida  100  raidō  carro
 s  s  saúil  200  sōwilō  sol
 t  t  teiws, tius  300  tīwaz  Tyr
 w (y)  w, ʊ  winja, wunja  400 wunjō  Alegria
 f  f  faíhu  500  fehu  gado, riqueza
 (x)  k(ʰ)  iggws  600  ingwaz  Ing
 ƕ  hw  ƕáir  700  –  caldeirão?
 ō  o:  ōþal  800 ōþala, ōþila  herança
 –  –  900

 O Alfabeto de Wulfila

Gothic alphabet

Além do Futhark godo os Visigodos tiveram um alfabeto.

O alfabeto godo foi inventado em torno do meio do século IV dC pelo bispo Wulfila (311-383 dC), o líder religioso dos visigodos, para fornecer ao seu povo uma linguagem escrita e um meio de ler sua tradução da Bíblia. Baseia-se no alfabeto grego , com algumas letras extra dos alfabetos latino e rúnico .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *