Uma Introdução ao Galdor

A maioria dos Asatruar e usuários das runas de hoje têm o equívoco de acreditar que galdor (OE) ou galdr (ON) se refere ao canto dos nomes das runas. De fato, isso não procede, mas nas velhas línguas do Velho Nórdico ou do Inglês Antigo, significava qualquer encanto ou feitiço que fosse cantado. A palavra galdor vem ou está relacionada com a palavra do inglês antigo galan “cantar.” Os antigos galdras eram feitiços compostos em verso aliterativo buscando criar uma mudança. Essa mudança pode ser localizar gado perdido, curar um osso quebrado, prevenir um aborto espontâneo, acalmar um enxame de abelhas ou qualquer número de coisas. O Galdor poderia basicamente fazer qualquer coisa que seu feiticeiro pretendesse fazer. Era, antes de tudo, mágico. Não há razão para o adorador heathen moderno não usar o galdor de forma tão eficaz. Galdor raramente era usado sozinho. Os exemplos sobreviventes das 12 galdres anglo-saxãs semi-heathens ou heathens que nós temos, também empregam ervas, ações rituais, e alguns dos encantamentos nórdicos antigos usaram runas também (há evidências de algumas das runas anglo-saxônicas que não sobreviveram também). Na maior parte, os encantos de cura  que sobreviveram trabalham em vários princípios. O primeiro é o combate “simulado” destinado a afastar a doença. Os antigos heathens anglo-saxões acreditavam (assim como seus outros colegas germânicos) que a doença era causada por setas ou dardos disparados por elfos, venenos voadores e dragões (wyrmas) e outras criaturas. Um exemplo primordial de combate simulado é em Encantamento  Métrico 4, também chamado de Uma seta Repentina ou Wið Færstice. É apresentado abaixo na tradução:

Contra uma seta súbita, febre e urtiga vermelha, que cresce em uma casa ferver  banana-da-terra na manteiga.

Eles eram altos, eis! alto, quando sobre a colina eles montaram, 
Eles eram ferozes quando sobre a terra que eles montavam. 
Proteja-se agora, para sobreviver a essa violência.

Fora, pequena lança, se você está aqui! 
Fiquei debaixo de tília, sob um escudo de luz, 
Onde as mulheres poderosas reuniram suas forças principais, 
E enviaram suas lanças gritando; 
Vou enviar outro depois deles 
Uma flecha voando em seus rostos. 
Fora pequena lança, se você estiver aqui! 
Um ferreiro sentou-se, fez uma pequena faca, 
???? ferro, maravilhosamente ferido. 
Seis ferreiros sentaram-se, trabalhando em lanças de guerra.

Fora lança, não em, lança! 
Se houver alguma coisa aqui de ferro, 
feita por bruxas, ela derreterá. Ou serão atingidas no sangue, 
Ou serão atingidas em um membro, que sua vida nunca seja prejudicada; 
Se foi o tiro de Aesir, ou se foi o tiro de elfos, 
Ou foi o tiro de bruxas, eu vou te ajudar agora. 
Isto para curar você do tiro de Aesir, isto para curar você de tiro de elfos, 
Isto para curar você de tiro de bruxa; Vou te ajudar. 
Depressa então para a cabeceira da montanha. 
Seja você inteiro, que o Senhor te ajude.

Pegue então a faca; mergulhe-o no líquido. 
(tradução de Gavin Chappel)

Neste encanto particular, o ataque da doença que provoca a dor é descrito primeiro, seguido pelo curandeiro , mago ou feiticeiro, vangloriar-se de que ele ou ela está lutando contra eles, e então termina com uma série de declarações confiantes destinadas a curar a vítima. Os Antigos Heathens sentiram que se algo fosse dito em um contexto ritual, tinha uma chance maior de se tornar realidade. Esta é a base do galdor. Assim, aqui, o feiticeiro afirma que a vítima nunca será prejudicada por certas coisas, e que elas serão curadas. O mergulho da faca é, talvez, um símbolo do golpe final na doença que provoca a dor. Uma urtiga vermelha e banana cozida na manteiga são provavelmente aplicados sauve mente para ajudar no alívio da dor. Outros feitiços de cura funcionam nesse mesmo princípio de história no início, seguidos por uma declaração do poder do curador, e terminando com palavras para curar a vítima. Como “Contra uma Seta Repentina”, o Nove Worts Galdor também contam uma história, se vangloria do poder do curador (invocando o nome de Woden), e então usa uma série de declarações para afetar a cura. Tudo somado, os encantos funcionam muito bem como as ostentações do symbel. A parte narrativa do galdor estabelece o passado. Por exemplo, o conto das mulheres atacantes no galdor acima equivale à parte de uma ostentação em symbel, onde se estabelece sua herança e feitos passados. A segunda e terceira partes do galdor, equivale a um beot em symbel (um juramento para fazer uma grande ação). A única diferença real aqui é que o feiticeiro está esperando realizar as ações que ele está declarando simplesmente cantando. Outras galdres como The Nine Worts Galdor seguem esse padrão preciso. Mesmo os antigos encantamentos germânicas mostram pelo menos duas partes dessa estrutura. Um exemplo disso são os dois encantos de Merseburg, o segundo dos quais é apresentado aqui:

Phol e Wodan cavalgaram para a floresta. 
O potro de Balder torceu o pé. 
Foi encantado por Sinthgunt, sua irmã Sunna; 
Foi encantado por Frija, sua irmã Volla; 
Ficou encantado com Wodan, como ele bem sabia: 
Entorse de osso, como entorse de sangue, 
Como entorse de membro: 
osso a osso, sangue a sangue; 
Limb to limb – como eles foram colados. 
(traduzido por DL ​​Ashliman)

Como os encantamentos mais longos, o Segundo Feitiço de Merseburg conta um conto, no entanto, ele pula o orgulho dos poderes do curador e vai direto para as palavras de cura. Felix Grendon, em seu artigo, “The Anglo-Saxon Charms” no Journal of American Folk-Lore descreve a estrutura dos encantos como consistindo de: a. introdução narrativa b. apelar para um espírito superior; a pronunciação de nomes potentes c. o magista se vangloria de poder d. o canto de encantamentos em partes do corpo e em outros objetos. No entanto, seu esboço é difícil de aplicar a todos os feitiços e, portanto, a estrutura das três partes pode estar mais próxima do fato. Nem todas as galdres seguem o padrão de três partes apresentado acima. Por exemplo, o Encantamento Métrico 9 ou Perda de Gado (uma das galdres mais cristãs), não se incomoda com qualquer tipo de conto como os feitiços apresentados acima, mas vai direto para as declarações para afetar a cura. Aqui está abaixo na tradução:

Garmund, servo de Deus, 
Encontre-me aqueles animais, e traga-me aqueles animais, 
E tenha esse gado, e segure esse gado, 
E traga esse gado para casa, 
Então ele nunca tem terra onde possa guiá-los, 
Nem terreno para trazê-los , 
nem casa para mantê-los. 
Se alguém fazer este feito, vamos nunca aproveitar-lo! 
Dentro de três noites, saberei o seu poder, o 
seu poder  e os seus ofícios de proteção. 
Que ele murcha completamente, como a madeira definhada pelo fogo, 
Seja tão frágil como um cardo, 
Aquele que pensa em roubar esses animais 
Ou para tirar essas vacas. 
Um homem. 
(tradução de Gavin Chappell)

O galdor tem apenas duas partes. Na primeira parte, o feiticeiro pede a Garmund, um deus dos godos para localizar o gado. Então, na segunda parte, o conjurador entra em uma maldição sobre qualquer um que possa ter roubado o gado. Este galdor pode refletir os efeitos da cristianização e sofreu mudanças severas devido a isso. Ou pode ser que, em sua forma pagã, fosse mais uma oração. Em Víga-Glúmssaga, Þórkell sacrifica um boi e pede que o homem que o expulsou de suas terras seja feito da mesma forma. Há poucas razões para não acreditar que o Encantamento Métrico 9 tenha originalmente começado com um apelo a um dos Ese ou Wanes e terminasse com a mesma maldição que agora, e em essência seja muito similar às palavras que Þórkell pode ter dito em suas orações. De fato, a prosa cristianizada no início deste encanto é uma oração. Outra exceção à estrutura de três partes é o Encantamento Métrico 11 ou Um Jornada de Viagem, fortemente cristianizado. No entanto, como envolve o uso de uma varinha mágica, pode caber uma terceira classe de galdres usando objetos mágicos especiais. Pode bem ser que quando um talismã previamente feito de algum tipo seja usado em conjunto com o galdor, a primeira seção do encanto pode ser perdida.

Como um todo, os encantos métricos anglo-saxônicos parecem ter consistido em três tipos. O tipo primário seguiu o padrão de a. um conto mitológico. b. se orgulha do poder do curador. c. palavras de cura sobre a vítima. O segundo tipo consistia de a. oração aos deuses ou outros poderes. b. declarações do que se espera que seja realizado com o feitiço. Finalmente, o terceiro tipo que usa um item mágico de algum tipo parece consistir apenas em declarações do que se deseja alcançar. Os adoradores modernos heathens que usam o galdor podem facilmente usar esses contornos para compor seus próprios encantos. Além disso, muitos dos encantos exigem que certas ações sejam realizadas, como o mergulho da faca na água no primeiro galdor apresentado acima. Um feitiço contra o aborto requeria que a mulher chorasse sobre o túmulo de uma criança, entre outras coisas. Para o usuário moderno, não deve ser difícil desenvolver ações rituais simbólicas daquelas em qualquer galdor que elas compõem. Todas as galdrs heathens parecem ter sido escritas em verso aliterativo. Você pode aprender a compor nesta forma poética lendo o artigo sobre oração no site de Haligwaerstow.

Leitura Adicional

Cameron, ML, Medicina Anglo-Saxônica, Cambridge University Press, 1993

Flores, Stephen Galdrabok: Um grimório islandês, Samuel Weiser, York Beach, Maine

Glosecki, Stephen, Shamanism e Old English Poetry. Garland, Nova Iorque, 1989

Grattan, John Henry Grafton. e Charles Singer. Magia e Medicina Anglo-Saxônica. Edições Norwood,. Norwood, PA, 1976.

Griffiths, Bill, aspectos da magia anglo-saxônica, livros anglo-saxônicos, Norfolk, 1999

Jolly, Karen, Popular Religião no final Saxon Inglaterra: Elf Charms em Contexto, Universidade da Carolina do Norte Press, 1996

Pollington, Stephen, Leechcraft Encantos Inglês precoces, Plantlore & Cura, Livros anglo-saxões, Norfolk, 2002

Tempestades, Godfrid, Magia Anglo-Saxônica. Martinus Nijhoff, Haia, 1948

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *